116º post – MC de 11 de outubro de 2009

12 out
   
penn_ballet
  
Para os destemperados da Conexão Vale-refeição, o sonho-pesadelo dos estados quase-unidos da Europa ficou mais possível. A Irlanda mudou o cenário, e a constituição meia-bomba deixou Tony Blair na frente da fila da vaga para presidente. Ele é minoria no próprio país – mas pode roubar a cena e ofuscar os líderes nacionais enquanto a Irlanda fica de olho no dinheiro dos bancos alemães. No lado podre da Europa, Beslusconi se livrou de todas as penas – mas vai ter que pagar multas e enfrentar processos (coluna de Caio Blinder sobre o assunto aqui). Enquanto isso, na Alemanha o ministro Guido Westerwelle, que é mais gay que o Brüno, saiu do armário na festa de aniversário da Angela Merkel – mas continua sem entender nada sobre política externa. Para terminar o bloco, Caio manifestou sua perplexidade a respeito do alquimista Obama (coluna aqui). Falando muito e fazendo pouco, o presidente ganhou o prêmio Nobel da paz – que deveria ter ido para o nobre dissidente Hu Jia. Mas se já deram este prêmio para o Arafat, podem dar para qualquer um.
 
A seguir, o pessoal da casa recebeu Felipe Machado, do Estadão (blog dele aqui). Felipe foi ensinar o jornal The New York Times a ganhar dinheiro, e falou pros caras sobre total media. Também guitarrista e escritor, o convidado discorreu sobre os desafios de se competir com o próprio público, e deixou Caio aflito na encruzilhada de uma ideia aproximada. Achei a entrevista ótima e bem relevante, afinal os consumidores são folgados – mas a credibilidade é o diferencial, e o que vai acabar é o papel e não a imprensa escrita.
 
No terceiro bloco, ninguém sabe quem é John Mackey (blog dele aqui) mas todo mundo conhece a rede Whole Foods, de comidas inteiras que dão água na boca. O executivo se meteu em uma confusão e transformou-se em um herói organicamente incorreto do Wall Street Journal por não comprar o plano de saúde do Obama. A direita malandra saiu em defesa da proposta elitista, e até a Alma aderiu ao buycott com preço salgado. No balneário, Diogo Mainardi não gosta de comer veneno nem lesmas, e Ricardo Amorim deu mérito a Mackey pela coragem. Brasil na imprensa: o mundo ama o Lula e o ouro é nosso. E-mails: eu bem que avisei: ninguém entendeu o comentário do Lucas sobre o Polanski na semana passada.
 
Para encerrar, os manhattans dispensaram aperitivos e falaram sobre as bem temperadas aventuras culinárias do novo filme de Nora Ephron estrelado pela monstra Meryl Streep: Julie & Julia. Com açúcar e muito afeto, Julia Child (site compreensivo aqui) ensinou os americanos a cozinhar – e a moderna Julie Powell aprendeu as receitas e contou tudo em seu blog. Precursora de Martha Stewart, a perfeccionista Julia era desengonçada e às vezes tomava um porre – mas nunca discutiu sobre a comida italiana, indiscutivelmente a melhor do mundo.
 
Vocês repararam como o Manhattan Connection anda feminista ultimamente? No mês passado o programa falou sobre a urbanista Jane Jacobs, as âncoras Katie Couric e Diane Sawyer e a diaba Anna Wintour. A subida das mulheres no mercado de trabalho também foi discutida – assim como o seriado The good wife na semana passada (aliás, eu assisti aos três primeiros episódios e não gostei muito – achei parecido com Ally McBeal, mas sem as partes engraçadas). Nesta edição, o MC indicou um filme da Nora Ephron, a monstra dos chick flicks. Agora só falta alguém queimar o sutiã na bancada! Mas pensando bem, até pode ser uma boa ideia se o fato ocorrer no cenário do Rio: pois dá para aproveitar e queimar também aqueles pedaços de madeira que por algum motivo o GNT insiste em manter pregados atrás do Ricardo e do Diogo. E o ponto alto do MC mais uma vez foi a matéria do repórter gafanhoto. Pedro Andrade mostrou por que é bem mais que apenas um rostinho bonito: além do talento, he´s got guts!
 
Momento ManhaTIE Connection: já que os manhattans são chegados em um chick flick (e quem não é?!), esta semana eles recebem condecorações da Nora Ephron. Pela ótima gravata com listras alaranjadas, a minha preferida, Ricardo ganhou o troféu Sleepless in Seattle. Pedro, com uma romântica gravata cinza com estampa estilo xadrez, levou o troféu When Harry met Sally. Ao seu lado, Caio escolheu uma gravata cor de chocolate e levou o prêmio Heartburn, e Lucas foi com uma preta e branca e ganhou o troféu Mixed nuts.
 
MSCL1 Momento My so-called life:
 
I hate fondue. I’m always losing my bread.
 
Angela
 
Bônus da semana: na cozinha dos Estados Unidos temos a monstra Martha Stewart. Na da Inglaterra, a monstra Nigella Lawson. E na do Brasil… temos a Palmitinha!
 
 
 
untitled
   

2 Respostas to “116º post – MC de 11 de outubro de 2009”

  1. Felipe Machado :-) às 12:12 #

    Amigas e amigos,

    obrigado pelo comentário sobre minha participação no Manhattan. Como vocês, também sou fã do programa há muitos anos e foi uma honra ter sido convidado. Parabéns pelo blog e um abraço!

    Felipe Machado

  2. Helô Machado :-) às 3:45 #

    Caro Marcos Alexadre,
    jornalista e admiradora do Manhattan Connection, sou também mãe do Felipe Machado (ao lado do Nando Machado) – minhas melhores matérias!
    Muito obrigada pelo seu comentário no blog Palavra de Homem e aqui.
    Sou mãe-coruja, mas também sou amiga-coruja.
    Parabéns pelo blog!
    Está sensacional!
    Já fiquei fã total.
    Beijos e sucesso!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s